11/08/2013

Sindicato quer ação do Estado para o caso dos educadores mortos no caminho do trabalho

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma) sente a perda de mais dois educadores, vítimas da violência no estado.  Dessa vez, o crime ocorreu na cidade de Senador La Roque, a 25 km de Imperatriz. Francisco Costa e Maria Iris Linhares Sousa, profissionais contratados do Estado, foram assassinados, vítimas de uma emboscada, por volta de 22h30 da última terça-feira (6), mas os corpos só foram localizados na manhã do dia seguinte (7).


foto professor assassinado
Os educadores foram encontrados a cerca de 30 km do povoado Centro do Toinho, local onde lecionavam três vezes por semana.  O corpo de Maria Iris estava caído na estrada e o de Francisco em um matagal, a trinta metros do corpo da professora. Ambos apresentavam hematomas na cabeça, o que levou a Polícia Militar a deduzir que as vítimas foram espancadas com pauladas até a morte.

De acordo com informações preliminares do cabo Osvaldino da PM, o duplo homicídio é característico de latrocínio, roubo seguido de morte. Segundo o policial, os ladrões colocaram um arame no meio da estrada para roubarem a moto de modelo Broz, que o professor pilotava, no retorno para casa, com Maria Iris na garupa. O policial enfatiza que esse modelo de veículo é um dos mais visados pelos ladrões.

Analisando a situação, o cabo também supõe que as vítimas ainda tentaram escapar da violência:   “Os professores devem ter tentado correr, porque o corpo dele [Francisco] estava no mato, como se fugisse, com o crânio aberto e marcas de pancadas na cabeça”, detalha.

Dia 10 de julho, a educação também perdeu o professor Iron Vasconcelos, vítima da violência que impera no estado do Maranhão. O professor foi assassinado na porta de sua casa, quando  voltava de um evento, acompanhado pela esposa. Em menos de um mês da morte de Iron, o luto voltou ao meio dos profissionais de educação.

O Sinproesemma, mais uma vez, se solidariza com as famílias dos professores e espera que os casos sejam esclarecidos o mais breve possível, pois até o momento a polícia não tem pistas do paradeiro dos bandidos e da motocicleta.

O presidente do Sinproesemma, Júlio Pinheiro, lamenta a violência contra os professores e exige que o governo do Estado tome providências imediatas para frear a onda de violência no Maranhão, que tem atingido vários educadores.

Fonte: Assessoria de Comunicação/Sinproesemma-Imperatriz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade e seja bem vindo ao debate!